domingo, 19 de março de 2017

Em busca dos benefícios de grandes projetos nos municípios sede: o caso de São João da Barra

















Um indicador importante para medir a absorção interna das externalidades positivas dos grandes projetos, poderia ser o número de empresas constituídas no período equivalente. Na busca de um melhor entendimento sobre o caso de São João da Barra, sede do porto do Açu e produtor de petróleo, levantamos o número de constituição de empresas no período entre 2006 a 2016. Para auxiliar a análise, comparamos a mesma movimentação com São Francisco de Itabapoana e Santo Antonio de Pádua. Os dois municípios não receberam grandes investimentos no padrão de São João da Barra e não são produtores de petróleo.  
Como podemos observar na imagem acima, São João da Barra superou São Francisco na constituição de empresas no período entre 2010 a 2015, porém as diferenças foram pequenas, considerando a movimentação de riqueza em cada município.  Nos outros anos, praticamente não existiram diferenças.
Já na comparação com Santo Antônio de Pádua, é nítida a sua superioridade em relação a São João da Barra, fato que levanta dúvidas sobre os benefícios desses grandes projetos ancorados em municípios frágeis economicamente.  

sábado, 18 de março de 2017

O fator intangível na geração de riqueza das nações

Século XXI e ainda insistimos em enxergar o desenvolvimento unicamente pelo aspecto material. Reflita sobre o parágrafo a seguir:

A presente situação das nações é o resultado da acumulação de todas as descobertas, invenções, melhorias, aperfeiçoamento e esforços de todas as gerações que viveram antes de nós: elas formam o capital intelectual da presente raça humana, e toda nação específica só será produtiva na medida em que souber como apropriar-se destas conquistas de gerações anteriores e aumentá-las por meio de suas próprias aptidões (FRIEDRICH LIST, 1841, p. 183).

sexta-feira, 17 de março de 2017

As microrregiões geradoras de emprego no estado do Rio de Janeiro em 2017

















O estado do Rio de Janeiro eliminou 34.644 empregos no primeiro bimestre do ano. A microrregião Rio de Janeiro eliminou 28.676 empregos, ou o equivalente a 83% do total. Quatro microrregiões apresentaram saldos positivos. A microrregião Nova Friburgo com a criação de 207 vagas, a microrregião Itaperuna com a criação de 182 vagas, a microrregião Ilha Grande com a criação de 20 vagas e a microrregião Serrana com a criação de 4 vagas. 

Estados que geraram emprego em fevereiro


Vejam os estados geradores de emprego formal em fevereiro de 2017. São Paulo liderou com a geração de 21.093 novas vagas de emprego formal, ou seja, 51,62% do total de vagas geradas no país.

quinta-feira, 16 de março de 2017

Emprego formal na região Norte Fluminense em feveriro

A região Norte Fluminense continuou eliminando vagas de emprego formal em fevereiro, porém em um volume menor. Foram eliminadas 457 vagas de emprego em fevereiro contra 731 vagas em janeiro desse ano. Campos e Macaé lideram o resultado negativo, só que em janeiro a liderança ficou com Campos, enquanto em fevereiro a liderança ficou com Macaé.
No acumulado de janeiro a fevereiro, Macaé eliminou 547 vagas, sendo 479 vagas na construção civil, 291 vagas no comércio e 263 vagas na industria extrativa mineral. Já o setor de serviços criou 350 vagas, a indústria de transformação criou 132 vagas e o setor agropecuário criou 8 vagas no acumulado do ano.  
Campos dos Goytacazes eliminou 286 vagas no comércio, 223 vagas na construção civil, 60 vagas na indústria de transformação e 15 vagas na indústria extrativa mineral. Saldos positivos de criação de empregos ficaram por conta do setor agropecuário com 21 novas vagas e no setor de serviços com 2 vagas criadas no período.
A região tem um saldo negativo correspondente 1.188 vagas de emprego eliminadas nos dois meses de 2017. 
O estado do Rio de Janeiro eliminou 34.644 vagas e o país eliminou 5.252 vagas.
Em janeiro, o Rio de Janeiro eliminou 26.472 e o país 40.864 vagas de emprego. Conforme podemos observar, o resultado no país foi positivo em fevereiro, com a criação de 35.612 novas vagas de emprego, enquanto o estado do Rio eliminou 8.172 novas vagas. O quadro positivo do emprego no país ficou bem longe do estado do Rio de Janeiro que é receptor de investimentos em setores estratégicos como petróleo e atividades portuária.

A crise política no país é um grande gargalo da reativação econômica

Vivemos uma crise politica sem precedentes no Brasil. Além do robusto processo de corrupção conduzido pela Operação Lava Jato, a classe politica não se intimida. Parece que esses indivíduos sofrem de déficit de inteligência ou realmente não acreditam na justiça e julgam que a população não tem capacidade de perceber as suas ações espúrias. Alguns exemplos confirmam essa tese. 

* No alto comando politico da Nação, o caixa 2 pode não ser crime.

* No estado o Rio de Janeiro, cria-se uma nova secretaria, em meio a uma turbulenta crise financeira, com o objetivo de proteger uma ex deputada e ex prefeita, com problemas na justiça. Felizmente a nomeação foi anulada por determinação justiça. 

* No executivo do Rio de Janeiro, o prefeito, além de nomear o próprio filho - inteligencia brilhante - nomeou ainda outros indivíduos desconhecidos profissionalmente, mas bem conhecidos da justiça, por práticas criminosas. 

* No interior, observa-se a alarmante prepotência do poder. Os eleitos sabem tudo, não precisam contar com o conhecimento cientifico. A articulação politica é a panaceia para solução de todos os problemas, segundo os mesmos.  

Como um ambiente contaminado, como esse, pode pensar em reativação econômica de forma sustável?


quarta-feira, 15 de março de 2017

Divulgação

Departamento História chtuffcht@gmail.com

12:07 (Há 2 horas)
para Cco:mim
Caras e Prezados Colegas, bom dia.
Venho convidá-los para a Abertura do Primeiro Semestre Letivo de 2017 do Departamento de História de Campos da Universidade Federal Fluminense – CHT/UFF – cuja primeira atividade será a Palestra e o Lançamento do mais recente livro do Prof. Dr. Aristides Arthur Soffiati Netto no dia 22/03/2017, quarta-feira, das 19h:30min às 22h, no auditório do Instituto de Ciências da Sociedade e Desenvolvimento Regional (ESR) da UFF (ver endereço abaixo). O título da palestra é o mesmo do livro a ser lançado: Uma Outra História: Ensaios de Eco-História.
Endereço: Instituto de Ciências da Sociedade e Desenvolvimento Regional – ESR – Rua José do Patrocínio, 59/71 – Centro – Campos dos Goytacazes (RJ) – CEP 28010-385.
Favor Divulgar.
Atenciosamente,